sábado, 22 de fevereiro de 2014

A 32ª decisão

Jorge Nuno, eu sei que gostas de apostar em indivíduos que estão na "mó de baixo". Também eu sinto um gozo especial em triunfar, depois de entregares a equipa a indivíduos em quem mais ninguém acreditou - muitos até se riram de ti. Foi assim com o Bobby Robson, com o Mourinho e com o Jesualdo. Mas pergunto: não terá sido ir demasiado longe ao apostar no Francesco Schettino?

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

A pensar em ti, Bruno!



terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Fim do mundo em cuecas

18 milhões mais o Fucile? Esse Danilo deve marcar para cima de 20 golos por época ... E o Hulk, não foi embora porque ninguém apresentou proposta, porque da maneira que isto anda por 10 milhões levavam-no e o Porto ainda oferecia o Moutinho.

sábado, 10 de dezembro de 2011

Hulk a ponta-de-lança? Claro que sim!

O Vítor Pereira gosta de referir-se a "nós" quando se trata de falar da época passada. Mas pelo visto, é só para se referir às coisas boas. Da fase com exibições paupérrimas e vitórias sofridas, que marcaram o período em que o Falcao esteve lesionado, e o Hulk tomou o seu lugar, não se lembra ele - nem esteve lá nem viu nenhum desses jogos, porque continua a insistir na mesma asneira. O Villas Boas, ainda tinha desculpa de não ter alternativa; este é burro por convicção.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Objectivo Atingido!

Para gentes que se dizem pouco apreciadoras de "vitórias morais", estou a descobrir um orgulho inexplicável numa derrota mascarada de empate. Os Portistas estavam credores de uma vitória sobre o Zenit; não a tiveram mas ficaram satisfeitos à mesma. Tal como na cabeça do treinador, o medo da derrota é tal que os empates já sabem a vitória. Ainda assim, há alguns motivos para festejar: o Porto jogou para o empate, e conseguiu o resultado que queria. Dizia-se à boca cheia, antes do jogo, que era obrigatório ganhar. Vai daí, o treinador que após um desaire qualquer há umas semanas atrás, prometeu uma "resposta fortíssima" antes de empatar com o Olhanense, surpreendeu o adversário Spaletti, apostado em não perder, com uma inesperada táctica tendo em vista ... não ganhar: um onze sem ponta-de-lança; o melhor jogador inutilizado numa posição que não é a sua; 3 médios sem vocação ofensiva e um defesa-central a fazer de lateral-direito (que por sinal, deverá ter feito a melhor exibição da carreira; pena é que não tivesse ficado no banco e dado lugar a um lateral que contribuísse mais para aquilo que era o objectivo último da partida: atacar e ganhar). Completamente banzado com a audácia e o arrojo do treinador português, o italiano respondeu com um cruzamento de braços e uma aborrecida espera pelo apito final.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Esclarecedor

Numa atitude, que como nenhuma outra, define o seu carácter, Paulo Bento, coberto de glória por ter garantido a presença de Portugal no Euro 2012, não perdeu a oportunidade de achincalhar os mais recentes proscritos da selecção. Uma baixeza, um nível rasteiro, só ao alcance de um protegido do "regime" - o seleccionador que a FPF merece. Seja o que for que o Ricardo Carvalho e o Bosingwa tenham dito/feito, decerto que o Ronaldo também já o disse/fez, e talvez até pior. Só que ele pode, os outros não. Segundo o seleccionador, o Bosingwa só aceita jogar pela selecção como titular, e isso torna-o "inseleccionável"; mas quantas vezes já terá o Ronaldo deixado de jogar pela selecção porque o jogo era de importância menor ou o adversário de pequena dimensão? Exigir ser titular é mais grave que recusar jogar tudo o que não sejam fases finais de competições, como fez o Figo?

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Tiro pela culatra

Já lá vão quase 3 dias, e o Braga x Clube do Regime ainda dá que falar - digno de um Porto x Clube do Regime! As incautas gentes do Clube do Regime, não hesitam em urdir complexas conspirações sobre teias de interesses, que vão gradualmente transformando o Braga num clube cada vez mais incómodo e alinhado com o Porto. É isso, ou o Braga, o Nacional da Madeira e/ou o Guimarães começam é a perder a paciência com os constantes insultos e insinuações acerca da (fraca) motivação destas equipas quando defrontam o Porto. Que o Porto nunca tem mérito quando ganha, já é um clássico. Mas ultimamente a táctica tem vindo a mudar, assim como o alvo - o Porto ganha porque os adversários facilitam ... Continuem nessa senda, e jogos como o do último fim-de-semana vão tornar-se um hábito a cada duas semanas. Se calhar há clubes que não facilitam contra o Porto; facilitam menos é com quem os insulta. E isso é muito bem feito.